China está aberta a investimentos do agronegócio brasileiro, diz ministro

20/05/2021
Publicado por: Thiago Agro Forte

Oferta maior no país vizinho mantém espaço menor para reação dos prêmios brasileiros

A China e o Brasil vão trabalhar para alinhar projetos no setor agrícola e ampliar investimentos para impulsionar o comércio entre as duas nações, disse o ministro da Agricultura chinês, Tang Renjian, durante evento sobre sustentabilidade nesta quinta-feira.

“Atualmente, seis empresas chinesas investem no agronegócio brasileiro. Esperamos que elas possam contar com a atenção e o apoio dos brasileiros. Estamos abertos e damos apoio a investimentos brasileiros desse setor na China”, afirmou ele, conforme texto enviado pela organização do evento, no qual o ministro falou em mandarim.

A fala de Tang no evento online foi precedida pela da ministra da Agricultura brasileira, Tereza Cristina, que também deu uma mensagem incentivando a cooperação, e antecedeu uma participação do presidente-executivo da BRF, Lorival Luz, que disse ter interesse em expandir atuação localmente no seu principal mercado asiático.

Ainda segundo o ministro chinês, com confiança e suporte mútuos os dois países vão “consolidar a cooperação multilateral” visando o desenvolvimento sustentável, que “depende de paz e estabilidade e de uma ordem internacional equitativa e justa”.

“O relacionamento sino-brasileiro já ultrapassou a esfera bilateral e ganhou a relevância internacional além de assumir uma influência global”, disse o representante da China, que recebe grande parte dos produtos agrícolas exportados pelo Brasil, que vão de soja e carnes a açúcar, entre outros.

Em 2020, o comércio bilateral no agronegócio foi de 35,7 bilhões de dólares, com um aumento de 19,4%, citou o ministro, com impulso principalmente dos embarques brasileiros aos chineses.

Mas ele ressaltou que esse comércio deve ocorrer dentro de bases sustentáveis.

“Há enorme potencial a explorar na agricultura sustentável e muito trabalho a fazer. A parte chinesa está disposta a trabalhar com o lado brasileiro para unir forças na promoção da sustentabilidade agrícola e injetar um novo ímpeto para alcançar os objetivos da Agenda 2030 e trazer nossas contribuições positivas”, completou.

“Vamos aprofundar a reforma estrutural do lado da oferta agrícola promover o desenvolvimento verde da agricultura e abrir uma via de sustentabilidade agrícola com características chinesas.”

Segundo ele, o governo chinês dá grande atenção à sustentabilidade agrícola e coloca o desenvolvimento verde da agricultura em “posição de relevo na construção de civilização ecológica”.

Já a ministra Tereza Cristina afirmou que o Brasil construiu uma relação de confiança em alimentos com a China, seu principal parceiro comercial, e isso “não vai parar por aqui”.

Ela disse ainda que os países devem priorizar a redução de emissões globais, sobretudo dos combustíveis fósseis.

 

Por: Roberto Samora
Fonte: Notícias Agrícolas
Categoria: